Bacafá

Bacafá

quinta-feira, 9 de abril de 2009

Consuma, consuma, consuma...

Estou escrevendo esse texto no intervalo do fantástico (pois é, ninguém é perfeito...). E mais uma vez aquilo que é óbvio me deixou um pouco preocupado. Sei que anúncio publicitário serve pra vender. E sei que vender é essencial para o mundo capitalista poder sobreviver (apesar dos liberais mundo afora estarem relendo O Capital, de Karl Marx, ultimamente).

Só que essa voracidade sobre o consumidor algumas vezes assusta. Antes eram os idosos ou aposentados, alvo da publicidade de empréstimos consignados. De tantos filhos e netos se aproveitarem dessa facilidade, solicitando aos pais ou avós esse favor, e não pagarem as parcelas dos empréstimos, e de tanto os próprios aposentados passarem a utilizar esses empréstimos por serem induzidos pelos anúncios publicitários, o Governo teve que tomar medidas. Como pode se perceber, não há mais publicidade dessa natureza na televisão e no rádio.

O próprio Código de Defesa do Consumidor prevê determinadas limitações para a publicidade. Em especial para as crianças, muito suscetíveis às fantasias publicitárias.

Pois bem. O alvo agora são os jovens. Não é novidade, mas parece que agora a coisa está ficando ainda mais séria. Não são só os produtos que são massacrados diariamente para o jovem na mídia. O crédito está sendo oferecido como a coisa mais normal, simples e maravilhosa do mundo.

Em um intervalo do programa acima falado, apareceram dois anúncios seguidos: do Mastercard e do Banco ABN Real. Ambos direcionados aos universitários. Confiando nos universitários.

É bem possível, porém, que antes mesmo de se firmarem nos mercados profissionais que escolheram ou mesmo antes de terminarem seus cursos, os jovens universitários estejam já endividados.

---------------
Em tempo: o projeto de lei n. 5921/01 simplesmente proíbe publicidade de produtos infantis, quaisquer que sejam, no horário compreendido entre as 7 e as 21 horas. Afinal de contas, como sempre defendi, a publicidade deve ser para os pais das crianças, que são as pessoas que devem decidir sobre o interesse, a necessidade e a disponibilidade financeira. Tem meu apoio.

3 comentários:

Maria Inácia Bellico disse...

Eu concordo plenamente contigo. Antes de terminas os estudo, já estarão devendo aos bancos um bom dinheiro. Isso é bem complicado, muito intrigante.

Uma feliz páscoa pra ti.

Bjim*

Tati disse...

Este é o nosso mundo capitalista...
Onde as pessoas são "bem vistas" se tiverem uma boa aparência...um bom carro...Enfim...cada vez mais fúteis e sem conteúdo...Jovens cada vez mais preocupados com o TER do que o SER...

Raphael Rocha Lopes disse...

Maria Inácia, é bem isso mesmo. Antes de começarem a ganhar dinheiro, já estão devendo. E feliz páscoa atrasada.

Tati, parte da culpa dessa preocupação do "TER" é dos pais, que não conversam com seus filhos, dos próprios filhos que nem pensam em passar na biblioteca pra pegar um bom livro, e da mídia que massacra desde a infância as vantagens de se ter isso, ter aquilo, e aquilo outro.